Topologia

 

A estrutura física da Rede-Rio tem o formato de um pentágono, cujos vértices são a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o CBPF (Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas) , a PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica/RJ), a FIOCRUZ (Fundação Oswaldo Cruz) e a TELEMAR/RJ. Nestes pontos, os roteadores são responsáveis pela interligação de todas as instituições da
Rede-Rio e a Internet, propiciando portas de acesso às instalações interessadas. Estes equipamentos estão interligados por fibras óticas cedidas pela TELEMAR S/A à FAPERJ e são capazes de trafegar informações a 1 Gbit/s (a velocidade
anterior da Rede-Rio era de 155 Mbit/s).
 
As demais instituições estão hoje ligadas por circuitos digitais em diferentes velocidades, a grande maioria sendo de circuitos fornecidos pela TELEMAR. Há diversas ligações sendo feitas via rádio e por via fibra ótica também. A Rede-Rio tem pontos de presença na região serrana, utilizando as instalações do LNCC (Laboratório Nacional de Computação Científica) em Petrópolis - interligado hoje a 100 Mbit/s; em Niterói, utilizando as instalações da UFF (Universidade Federal Fluminense) - interligada hoje a 100 Mbit/s; em Campos, nas instalações da UENF (Universidade Estadual do Norte Fluminense), interligada a 34 Mbit/s; e em Vila Seropédica, nas instalações da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro), interligada a 100 Mbit/s.
 
O canal internacional da Rede-Rio, hoje instalado no CBPF, é de 3 Gbit/s. Novos projetos estão em andamento para aumentar a velocidade e atender futuras demandas da Rede-Rio.
 
Tenha uma visão geral da Rede-Rio observando o Mapa Sensitivo da Rede-Rio.